Bordando a Vida em Itapuã

Tem muito tempo que as histórias das mulheres são acompanhadas pelos bordados. Em Salvador passa dos 100 anos. Elas tecem a memória de si enquanto constroem oportunidades de ganhos econômicos.

 

A fala que é produzida em torno da construção do bordado traz orações, desabafos, encontros, fortalecimento, cumplicidade e amor. É assim que as Bordadeiras de Itapuã estão tecendo a colcha das suas vidas e transformando em arte.

 

Elas se encontram uma vez por semana na Casa da Música, e ali, ouvindo o canto dos pássaros, o balançar das árvores e o silêncio da lagoa, que vez por outras é invadida por crianças a brincar, elas seguem construindo mais do que bordados, mas o patrimônio de si mesmas, uma com as outras, numa rede de mulheres que cresce a cada dia em torno do colorido das linhas.

 

O grupo começou com o encontro de duas amigas

REVISTA ASSUM PRETO

Os textos sugeridos não refletem, necessariamente, a opinião da Assum Preto. Os textos e fotografias podem ser utilizados por terceiros desde que sejam solicitados e que indique a autoria.